Web 1.0 x Web 2.0

Assim que o termo Web 2.0 ganhou popularidade, surgiram muitas críticas sobre o porquê do termo se nem ao menos ouvimos logo no início da criação da Web algum termo como Web 1.0. Estudiosos da área da Computação, programadores dizem que a Web 2.0 nada mais é que uma jogada de Marketing ou um buzzword. Isso se deve ao fato de que as linguagens de programação usadas na Web 2 já existiam na Web 1 e, além disso, a idéia de colaboração não é alguma coisa recente também. Como exemplo, temos o uso de fóruns e listas de discussões logo no início da criação da WWW, utilizados nas universidades americanas.
Em entrevista publicada no site Ars Technica, o criador da WWW, Tim Berners-Lee discute sobre a Web 2.

Para Berners-Lee, ninguém ao certo sabe o que significa. E para ele, a web 1 já conectava as pessoas e era um ambiente interativo.
[…]Web 1.0 was all about connecting people. It was an interactive space, and I think Web 2.0 is of course a piece of jargon, nobody even knows what it means. If Web 2.0 for you is blogs and wikis, then that is people to people. But that was what the Web was supposed to be all along. And in fact, you know, this 'Web 2.0,' it means using the standards which have been produced by all these people working on Web 1.0."

Temos que concordar que as ferramentas existentes na Web 1, como por exemplo, e-mails, salas de bate papo, fóruns de discussão já proporcionavam a interação entre os usuários. O que diferencia a Web 1 da Web 2 é a capacidade que os internautas têm em produzir o conteúdo.
Na Web 1 os usuários eram meros espectadores, atualmente eles são espectadores e criadores do conteúdo disponibilizado na Internet.

Para nós professores, não importa se a Web 2 é uma jogada de marketing ou um buzzword. O que nos interessa é saber como Wikis, Podcast, sites de compartilhamento de vídeos, entre outros recursos podem ser utilizados nas salas de aula. Isso porque esses recursos não foram desenvolvidos para fins educacionais, entretanto suas características colaborativas e sociais exemplificam algumas Teorias de Aquisição da Segunda Língua, como a Teoria Sócio-Construtivista de Vygotsky.

Comentários

Daniervelin disse…
Olá, colegas,

Adorei esse texto. Acredito que vocês estão certos: já mesmo algo de comum entre Web 1.0 e web 2.0, mas a segunda apresenta uma grande r/evolução em comparação à primeira. No entanto, o que ela apresenta é um grande potencial para uso no ensino, o que só se concretiza com nossas inciativas!

Estou adorando as ferramentas do site!!! Great!

Abrs,
Dani
Virgínia disse…
Ao listar as características de Web1.0 e Web 2.0 paralelamente O’Reilly deixa claro os avanços de uma em relação a outra.
Enquanto na web 1.0 é oferecida a Brittanica online na Web 2.0 temos a Wikipedia onde é possível a contribuição do aprendiz.
abç

Virgínia
Embora Alexander(2006)afirme em seu texto que há controvérsias sobre o termo web 2.0, uma maior dinamicidade é perceptível nas chamadas ferramentas sociais, diferenciando-se das ferramentas da 1.0. Grupo 4, continuem inserindo posts tão esclarecedores como este.

Helen
Anônimo disse…
Olá Grupo,
ficou muito legal o seu blog. Sou uma das que não concorda com o Web 2.0, acho que é apenas uma tentativa de potencializar questões que na verdade já existiam na rede... Mas, no que tange ao ensino, a possibilidade de interatividade mais efetiva dá aos alunos a capacidade de construção do conhecimento, em sintonia com a teoria de Vigostky e mesmo com toda a teoria construtivista da aprendizagem.
Um abraço,
Adriana
Olá gente, também adorei o blog. Muito legal, além de muito útil e cheio de informações, muitas delas novas para mim.
Respondendo ao comentário da Adriana, eu concordo com o que diz Bryan Alexander (2006) quando afirma que mais do que nos preocupar com a etiqueta “Web 2.0”, o importante mesmo são os conceitos, projetos e práticas que estão incluídos em seu campo hoje em dia.

Beijos,

Julieta